>HISTÓRIAS TECNOLÓGICAS – O MSX NÃO MORREU !

>
Pois é, ai você lê o Título do Post acima e me pergunta, mas que diabos é MSX ? E eu respondo, foi o meu primeiro “computador”, ele tinha um super processador Z80 A de 8bits e vinha com memória de 80Kbytes sendo 16K para vídeo e 64K para dados, diriamos assim.
Um dos motivos de escrever esse Post, foi a saudade que bateu do meu velho amigo, devido a esse post do Meio Bit sobre a MSX RIO uma “feira” para amantes do MSX que aconteceu no Rio de Janeiro, post esse, sugerido pelo nosso consultor / colaborador Wilson Prodoscimo.
Clicando em Leia Mais… você pode ler a reprodução da História desse Computador que eu achei no
Museu da Computação e Informática – MCI e assim saber um pouco mais sobre a TECNOLOGIA que estava ao nosso alcance nos anos 80 & 90.
ABRAÇOS !


Expert
Expert Fabricante: Gradiente
País: Brasil
Linha: MSX
Compatibilidade: MSX-1 (National – Japão)
Ano de lançamento: Dez/1985
Processador: Z80 A, de 8 bits
Clock: 3,58 MHz
Memória RAM: 64 Kbytes
Memória ROM: 32 Kbytes
Modelos: 1.0 (XP-800), 1.1 (GPC-1), Plus, DD Plus

O Expert da Gradiente e o Hotbit da Sharp foram os dois representantes da linha MSX no Brasil. A CPU do Expert é o processador Z80 A de 8 bits, que opera em conjunto com dois processadores auxiliares, dedicados a vídeo e áudio. Essa arquitetura era considerada a mais avançada na área de 8 bits. O gabinete dos modelos 1.0 e 1.1 era na cor grafite, nos modelos DD e DD Plus a cor passou para preto.

O Expert tinha 80 Kbytes de memória RAM, 16 Kbytes são para vídeo e os outros 64 Kbytes eram distribuídos em 4 páginas (0 a 3) de 16 Kbytes de memória. Nas páginas 0 e 1 estavam a ROM e o interpretador BASIC. O Expert utilizava aproximadamente 4 Kbytes do restante da memória para armazenar variáveis para o seu funcionamento. Os 28 Kbytes de memória restante eram para uso do usuário. A memória RAM podia ser expandida para até 256 Kbytes, por meio de cartuchos. A ROM, de 32 Kbytes, continha o sistema operacional e o interpretador MSX-BASIC (identico ao utilizado nos micros compatíveis IBM/PC).

O Expert tinha como linguagem de programação residente o Assembler Z80, MSX-BASIC e o DISK-BASIC (ambas as versões do BASIC eram extremamente poderosas e cheias de recursos).

O Expert tem 3 maneiras diferente de funcionamento:

  1. Quando liga o Expert mantendo pressionada a tecla SHIFT, a interface de disco (interna) é ignorada. O BASIC residente funciona numa versão mais simples e pode ler e gravar programas apenas a partir de uma fita cassete e cartuchos.
  2. Ligar o Expert sem pressionar nenhuma tecla e sem colocar o Disco-Mestre no acionador de disco, neste caso é assumido o DISK-BASIC, uma versão mais completa do BASIC em relação a opção 1, pode ler e gravar programas em disquete.
  3. Ao ligar o Expert sem pressionar o SHIFT e tiver o Disco-Mestre inserido no acionador de disco, será carregado o MSX-DOS, que transfigura completamente o micro. Quando o MSX-DOS está no comando do Expert, sua organização interna muda de maneira drástica e seus recursos passam a ser completamente diferente. Esse sistema era compatível, a nível de comandos, com o CP/M e passava a utilizar uma vasta biblioteca de programas tais como WordStar, dBase II, SuperCalc, MBASIC, Turbo Pascal, Fortran IV, etc. Nesse modo o MSX era reconfigurado deixando-o compatível com inúmeros outros computadores mas perdia algumas características do padrão MSX.

Expert O Expert deixou de ser fabricado pela Gradiente em 1990.


TECLADO O teclado é constituído de 89 teclas com suporte a gráficos e acentuação em Português. Acima e à esquerda, encontra-se cinco teclas de função (F1 – F10), que, em conjunto com a tecla SHIFT, produziam até dez diferentes funções. A direita encontra-se o teclado numérico reduzido e abaixo, seguindo o padrão MSX, as quatro teclas de movimentação do cursor são de tamanho grande.


VÍDEO O Expert pode ser ligado em uma TV preto e branco ou a cores (padrão PAL-M) ou a um monitor de vídeo monocromático ou colorido. O monitor apresenta uma qualidade de imagem muito superior às da TV. O monitor MM12 (fabricado pela Gradiente) tem 12 polagadas, é monocromático e tem formato quadrado, controles externos de contraste, brilho, fundo invertido e redução da imagem.

O padrão MSX-1 impunha a existência de 4 tipos de tela:
SCREEN 0 – para texto de 24 linhas e 40 colunas; SCREEN 1 – para texto de 24 linhas e 32 colunas; SCREEN 2 – para gráficos de alta resolução, 256 X 192 = 49152 pontos, 16 cores; SCREEN 3 – para gráficos de baixa resolução. O SCREEN 3 “plota” pontos em baixa resolução, ou seja, cada pixel da SCREEN 3 é constituído por 4×4 pontos da SCREEN 2. Em contrapartida, cada um deles pode ter uma cor diferente.

Quando o micro é ligado, assume a SCREEN 0. Os caracteres do MSX são definidos em uma matriz de 8×8 pixels.


PERIFÉRICOS PerifericosA Gradiente desenvolveu para o Expert toda uma família de periféricos. O monitor de vídeo monocromático MM12, joystick JS-1, gravador data-corder DR-1, modem TM-1, adaptador de TV TA-1 entre outros.

O Expert se transformava em um terminal de videotexto (Telesp) e Cirandão (Embratel) mediante a inserção de um cartucho TM-1. O TM-1 era formado por um modem de 1.200/75 bauds e interface serial, discador telefônico, conector de entrada e saída padrão RS-232C, programável de 50 a 19.200 bauds.

Na parte frontal tem dois encaixes onde são conectados os cartuchos (cartridge A – slot 1, cartridge B – slot 2) onde pode-se encaixar memória pré gravada, expansões ou interfaces de periféticos. Na parte esquerda encontra-se dois conectores para joysticks (fabricação própria ou qualquer outro padrão Atari) ou mouse. No lado direito, o drive de 3,5 polegadas (na versão DD Plus).

O padrão MSX, ao ser estabelecido, escolheu o disco de 3,5 polegadas (720 Kbytes) como padrão, pois dava a melhor razão custo/benefício em relação à confiabilidade e a quantidade de informação armazenada. Porém, o drive mais popular à época era o drive de 5 1/4 polegadas (360 Kbytes), era possível utilizá-lo através de uma interface externa (tipo cartucho) conectada a um dos slots. O acionador assumia os drives A/B, devido à prioridade dos slots A e B sobre o slot interno onde se encontra a interface de disco do drive de 3,5 polegadas, que funcionava como C/D. Na versão Expert DD Plus, lançado em 1989, tinha um drive de 3,5 polegadas embutido no gabinete. A formatação do MSX era identica à do IBM/PC, e esta característica permitia a troca de informações entre essas linhas.

Na parte traseira da unidade central, ficam as saídas para acoplamento de periféricos como vídeo RGB e monocromático, impressora paralela padrão Centronics, data corder (gravador) e áudio entre outras. A Gradiente oferecia uma interface opcional para comunicação que acoplava até oito diferentes expansões, inclusive um modem, com isso, era possível o acesso a banco de dados públicos, como o Cirandão, da Embratel.

A Gradiente parou de fabricar o Expert em 1990.

2 responses to “>HISTÓRIAS TECNOLÓGICAS – O MSX NÃO MORREU !

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s